Com mais focos de queimadas no país, MT já aplicou mais de R$ 14 milhões em multas este ano


Mato Grosso teve, até o dia 10 deste mês, 11.770 focos de queimadas, um valor 9% maior que o mesmo período do ano passado e 43% maior que a média dos últimos dez anos. Pantanal tem 100 mil hectares destruídos por queimadas em Mato Grosso
Jeferson Prado
Mato Grosso, que está em primeiro lugar no ranking de focos de incêndio no país, já aplicou R$ 14,3 milhões em multas por queimadas ilegais, de janeiro a julho deste ano. Os dados são da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema).
Segundo o Centro Integrado Multiagências (Ciman), o estado teve, até o dia 10 deste mês, 11.770 focos de queimadas, o que representa um aumento de 9% em relação ao mesmo período do ano passado e de 43% em relação a média dos últimos dez anos.
Mato Grosso está em primeiro lugar entre os estados do Brasil no ranking de focos de calor deste ano. Também é o primeiro da Amazônia Legal. De forma proporcional, em relação à área da região, está em segundo lugar, atrás de Tocantins.
Ranking focos de calor
INPE
A cidade com maior número de focos no período proibitivo de queimadas, do dia 1º a 10 de agosto, é Poconé, com 999 focos.
Ranking dos municípios
INPE
Em seguida estão Barão de Melgaço (461), Colniza (264), Cáceres (190), Tangará da Serra (190), Paranatinga (133), Gaúcha do Norte (131) e Santo Antônio de Leverger (124).
Os dados do Ciman também apontam que 81,5% dos incêndios do estado são em propriedades particulares, 11% são em terras indígenas, 3,8% em projetos de assentamento e 3,4% em unidades de conservação.
Áreas queimadas em Mato Grosso
INPE
O Ciman é composto por representantes do Corpo de Bombeiro Militar, Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Casa Civil, Defesa Civil, Ibama, ICMBio, Funai, Incra, Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema), Pericial Oficial e Identificação Técnica do Estado de Mato Grosso (Politec) e Polícia Militar.
De acordo com a Sema, no ano passado, durante a operação ‘Abafa’, de combate ao desmatamento e incêndios florestais, foram aplicados mais de R$ 70 milhões em multas.
Já a equipe de fiscalização de flora da Sema aplicou R$ 31,5 milhões em multas por queimadas, durante todo o ano.
Queimada atingiu região de cerrado em MT
Corpo de Bombeiros
Todas as multas aplicadas nos anos de 2019 e 2020 encontram-se em processo de tramitação, com possibilidade de recurso no Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) e na esfera judicial.
Atualmente, há, em média, 7 mil processos por infrações ambientais em Mato Grosso, que ainda devem ser julgadas. No primeiro semestre deste ano, 3.300 decisões foram proferidas.
Segundo a Sema, para acelerar o julgamento dos processos, estão sendo enviadas propostas de empresas especializadas em mapear negócios e desenvolver soluções tecnológicas para automação do processo de responsabilização ambiental.
Também está em tramitação a contratação de 30 pessoas para realização de força-tarefa para julgamento dos autos.