Da periferia ao luxo: quem é Klebim, preso por fazer rifa ilegal de carrões

Dono de uma “frota” milionária de carros, o youtuber Kleber Rodrigues de Moraes, o Klebim do canal Estilo Dub, foi preso na manhã de hoje (21) pela Polícia Civil em Brasília (DF). Acusado de integrar uma associação criminosa interestadual voltada à prática de jogo de azar e lavagem de dinheiro, o influenciador tem uma história marcada por conquistas pessoais e ostentação.

Presente em diversas redes sociais, Kleber soma mais de 4 milhões de seguidores, entre perfis pessoais e de seu site, “Estilo Dub”, que atualmente está fora do ar. Em seus perfis, é comum vê-lo posando com carrões preparados – a maioria seguindo a tendência “Dub”, de rebaixar a suspensão. Seus carrões foram apreendidos e ficavam guardados na mansão de R$ 4 milhões do influenciador, localizada no Park Way – área nobre da capital federal.

A Chevrolet Montana rifada por Klebim, além de preparada, tinha mais de R$ 60 mil em som automotivo

A maior parte do conteúdo gerado por Klebim é focada nas transformações que ele faz em seus veículos, que depois eram rifados no site dfrifas.com.br, igualmente retirado do ar após a prisão. Um dos sorteios mais populares foi de uma Chevrolet Montana que, por vários meses, foi o “xodó” do canal. Além de rebaixada e com motor “mexido”, o veículo tinha cerca de R$ 60 mil de som automotivo instalados na respectiva caçamba.

Em seus vídeos, o youtuber conta que já chegou a ter cerca de 20 carros simultaneament – no momento da prisão, a polícia apreendeu um Lamborghini Huracán – que deu o nome à operação – e uma Ferrari 458 Spider. Cada um desses esportivos é avaliado em pelo menos R$ 3 milhões.

Afinal, quem é Klebim?

Natural de Bela Vista de Goiás, na Região Metropolitana de Goiânia, Klebim diz que a paixão por automóveis nasceu na adolescência, quando assistiu ao filme “Velozes e Furiosos”. Aos 16 anos, morando na periferia de Brasília, Kleber criou o site “Estilo Dub” para colocar em prática os conhecimentos adquiridos em um curso para montar páginas na internet. Na época, ele publicava fotos de carros que tirava em eventos automotivos. Paralelamente, também criou uma comunidade no Orkut e um canal no Youtube.

Anos depois, Kleber começou a ganhar fama com suas páginas no Facebook e Instagram, além do canal no Youtube. Além da renda com publicidade e visualizações de vídeos, o que é comum entre os influenciadores, as rifas de veículos faziam parte do orçamento.

Nos seus vídeos, o influenciador de 27 anos fala sempre sobre sonhos e conquistas, e utiliza o estilo “ostentação” para inspirar outros jovens. “Hoje nós é empreendedor, pra várias bocas? fruto de sustento. Esforço e talento, isso aqui nós tem de sobra, dobra a disposição, muita marcha e mão na obra”, disse em sua última publicação no Instagram.

Por que as rifas são ilegais?

Segundo a Polícia Federal, uma associação criminosa era capitaneada por influencers como Klebim, que promoviam e rifavam veículos no Instagram e em canais do YouTube. Os veículos eram preparados com rodas, suspensão e som especiais e os sorteios eram anunciados na internet. Como possuíam milhares de seguidores, as rifas eram vendidas com facilidade.

Os valores angariados seguiam para contas de empresas de fachada, segundo a Polícia Civil,,e eram utilizados para aquisição de novos veículos, registrados em nome de “testas de ferro”. Os criminosos teriam movimentado cerca de R$ 20 milhões em apenas dois anos.

Chamados pelos próprios realizadores de rifas, sorteios deste tipo não têm registro nos órgãos competentes e se tornaram uma prática extremamente rentável.

Muitos organizadores tentam passar a impressão de legalidade ao dizer que as rifas promovidas são filantropia premiável e os sorteios, realizados pela Loteria Federal. De fato, essa modalidade de sorteio existe e nada mais é do que um título de capitalização emitido por instituições financeiras sob autorização da Susep (Superintendência de Seguros Privados), cujo resgate é destinado a entidades beneficentes.

Contudo, a prática não prevê a venda de cotas individualmente e sim a aquisição do título, que dá direito a um ou mais “números da sorte” para concorrer a prêmios.

Além da filantropia premiável, sorteios também podem ser realizados mediante certificado de autorização da Secap (Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria), órgão do Ministério da Economia. Nesse caso, a comercialização de números, como era o caso de Klebim, também é proibida.

Conforme a Secap, é permitido a uma empresa sortear veículos e outros bens “por meio da venda de seus produtos” – ou seja, uma determinada quantia gasta dá direito a um ou mais números para concorrer aos prêmios. É o que costuma acontecer em ações promocionais de shoppings, por exemplo.

Cabe às entidades citadas fiscalizar as empresas e investigar eventuais suspeitas ou denúncias de irregularidades.

‘Prisão arbitrária’

No Brasil, apenas a Caixa Econômica Federal tem autorização para realizar venda de números e os respectivos sorteios, por meio das loterias oficiais.

A defesa de Klebim disse que a prisão é “completamente arbitrária, desproporcional e ilegal”. “[A prisão] é fruto de uma pirotecnia para criar constrangimentos e fatos midiáticos. Confiamos que o poder judiciário corrigirá essa arbitrariedade revogando imediatamente essa prisão”, disse José Sousa de Lima, advogado dos investigados

Deixe um comentário